Sesi-ES recebe etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica

A competição acontece neste sábado (12), no ginásio do Sesi Jardim da Penha, em Vitória, e contará com 69 equipes de escolas públicas e particulares de todo o Estado

 

O uso da tecnologia na sala de aula está bastante presente nas instituições de ensino brasileiras. Um belo exemplo disso é a realização da etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), que acontece neste sábado, das 9h às 17h, no ginásio do Sesi Jardim da Penha, em Vitória. Durante a seletiva, que é aberta ao público em geral, 69 equipes e cerca de 250 alunos dos ensinos Médio, Técnico e Fundamental II de escolas públicas e particulares de todo o Espírito Santo participarão de diversos desafios práticos – após terem se qualificado para a competição por meio de uma etapa teórica realizada em cada escola participante – com robôs desenvolvidos por eles próprios. O Sesi-ES participa com 20 equipes de 10 unidades escolares. As equipes que atingirem a pontuação necessária serão classificadas para a etapa nacional, ainda com data e local a definir.

 

“A Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) tem como objetivo estimular os jovens às carreiras científico-tecnológicas”, destaca a gerente de Educação Básica do Sesi-ES, Josefina Prezentino. “Importante destacar também a expressiva participação de instituições públicas de ensino – municipais, estaduais e federais – nesta seletiva, o que denota um maior acesso à tecnologia na sala de aula para além das escolas particulares”, completa Josefina.

 

Conheça os desafios

 

A missão da Olimpíada Brasileira de Robótica – Modalidade Prática, que será realizada no Sesi Jardim da Penha, caracteriza-se por simular um ambiente real de desastre onde o resgate das vítimas precisa ser realizado por robôs. Em um ambiente hostil, muito perigoso para o ser humano, um robô completamente autônomo desenvolvido pela equipe de estudantes recebe uma tarefa difícil: resgatar vítimas sem interferência humana.

 

Cerca de 250 estudantes de escolas públicas e particulares do Espírito Santo participarão de diversos desafios com os robôs

 

O robô deve ser ágil para superar terrenos irregulares (redutores de velocidade); transpor caminhos onde a linha não pode ser reconhecida (gaps na linha); desviar de escombros (obstáculos) e subir montanhas (rampas) para conseguir salvar a(s) vítima(s) (bolas de isopor revestidas de papel alumínio), transportando-a(s) para uma região segura (área de resgate) onde os humanos poderão assumir os cuidados.

 

A OBR

 

A OBR ocorre desde 2006 e, atualmente, é considerada como o maior evento de robótica da América Latina, classificando equipes para a RoboCup, maior evento do mundo nessa área. No ano de 2016, foram mais de 120 mil participantes diretos de todos os Estados brasileiros, com mais de 3.000 equipes competindo na modalidade Prática.

 

A OBR é coordenada de forma voluntária por um grupo composto por cientistas e doutores na área de robótica e tecnologia das maiores e melhores universidades públicas e particulares do Brasil. É apoiada pelo Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia, CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e Fundação Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, ligada ao Ministério da Educação). Também conta com o suporte da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), da Sociedade Brasileira de Automática (SBA), da RoboCup Federation e da IEEE Robotics & Automation Society.

 

Saiba mais:
www.obr.org.br